Franchising Ideal

Oportunidades de sucesso

Transferências de crédito habitação triplicaram em 2023

26 Junho 2024

As transferências de crédito habitação entre instituições bancárias representaram 27% do mercado do crédito em 2023.

Com a escalada das taxas Euribor e do custo de vida, a renegociação ou transferência dos créditos habitação tem sido umas das soluções utilizadas para reduzir a carga mensal dos portugueses.

Segundo dados do Banco de Portugal, enquanto em dezembro de 2021 a renegociação representava apenas 6% das novas operações de crédito para habitação própria e permanente, em dezembro de 2022 alcançou os 22%.

Também as transferências de crédito habitação tiveram uma subida acentuada, representando em 2023 27% dos negócios realizados no mercado do crédito, ao contrário dos 8% registados em 2022.

Isto deve-se ao facto de um maior número de titulares de crédito ter começado a procurar soluções mais vantajosas para a subida da prestação dos seus créditos habitação com taxa variável.

Além disso, também a isenção da comissão de reembolso antecipado no caso de crédito para habitação própria permanente a taxa variável contribuiu para este aumento de transferências. 

O Banco de Portugal atribuiu esta subida também à crescente atuação dos Intermediários de Crédito, que terão contribuído para a redução dos custos associados à procura de informação.

 

COMO FUNCIONA UMA TRANSFERÊNCIA DE CRÉDITO?

A transferência do crédito habitação consiste em pedir um novo crédito e em amortizar antecipadamente o crédito atual. Ao fazer a transferência, o banco para o qual está a transferir o crédito vai pagar todo o empréstimo ao banco com que celebrou o contrato inicial. 

Esta transferência de instituição bancária pode trazer poupanças de centenas de euros aos mutuários, uma vez que lhes permite usufruir de condições mais vantajosas noutros bancos, como redução no spread ou TAEG mais baixa.

De momento, muitos bancos têm campanhas que cobrem a totalidade ou parte dos custos de transferência, como as comissões bancárias, a escritura e outras despesas associadas à transferência do crédito à habitação.

Para encontrar a solução ideal, o melhor é recorrer a um serviço certificado de Intermediação de Crédito, como a SI Crédito, uma vez que conseguimos analisar caso a caso e pesquisar junto dos nossos parceiros as soluções mais vantajosas para baixar as prestações mensais do crédito habitação.

Este serviço de Intermediação de Crédito é gratuitoFale connosco para saber como podemos ajudar!

Novidades da nossa rede

Transferências de crédito habitação triplicaram em 2023
Transferências de crédito habitação triplicaram em 2023

As transferências de crédito habitação entre instituições bancárias representaram 27% do mercado do crédito em 2023.

Com a escalada das taxas Euribor e do custo de vida, a renegociação ou transferência dos créditos habitação tem sido umas das soluções utilizadas para reduzir a carga mensal dos portugueses.

“Conseguem-se bons resultados com a chamada sorte que tem muito trabalho”
“Conseguem-se bons resultados com a chamada sorte que tem muito trabalho”

Nuno Pedroso Lima, Diretor da Loja SI Lousã, admite que a mediação imobiliária já o cativou e afirma que os bons resultados se obtêm com “a chamada sorte que tem muito trabalho”

Apostou na Soluções Ideais por ser uma marca 100% portuguesa, à qual reconhece uma identidade muito própria – “só quem cá está dentro é que entende o que isto e”, cuja gerência encontra sempre forma de ajudar a atingir os objetivos.

Veja a entrevista aqui! 

Não desistir é fundamental para obter bons resultados
Não desistir é fundamental para obter bons resultados

“Não desistir é fundamental” para obter bons resultados, afirma Paulo Pedro, Diretor da loja SI Aveiro Glória, um dos franchisados com mais anos do Grupo Soluções Ideais.

Além disso, é preciso muito esforço, persistência e resiliência, disse, ainda, Paulo Pedro, que viu na mediação imobiliária uma área com potencial e encontra na gerência do Grupo SI o apoio necessário para enfrentar os momentos mais difíceis. 

Veja a entrevista aqui